63cbc em bonito ms

Desenvolvimento de enxertos ósseos para pessoas com osteoporose

Desenvolvimento de enxertos ósseos para pessoas com osteoporose

Rodrigo Fernando Costa Marques Graduação em Química pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1995); Mestre em Físico-Química (Instituto de Química-UNESP); Doutor em Físico-Química pela Universidade de York (Inglaterra) e Instituto de Química (UNESP); Pós-doutorado em Química Inorgânica pelo Centre d'Elaboration de Matériaux et d'Etudes Structurales, CEMES (França); Pós-Doutorado (FAPESP) em Físico-Química no IQ (UNESP). Tem experiência na área de Engenharia Biomédica, com ênfase em Biomateriais e Materiais Biocompatíveis, atuando principalmente em síntese e funcionalização de superfície de nanopartículas para modificação com drogas e anticorpos visando aplicações em biomedicina; liberação controlada de fármacos; síntese de membranas de colágenos para regeneração tecidual através de engenharia de tecido; uso de nanopartículas magnéticas como suportes para biocatalisadores aplicados em produção de biocombustíveis.

Rodrigo Fernando Costa Marques

Instituto de Química – UNESP/Araraquara

RESUMO

Osteoporose é uma condição metabólica que se caracteriza pela diminuição progressiva da

densidade óssea e aumento do risco de fraturas. Os ossos estão em constante processo de

renovação, já que são formados por células chamadas osteoclastos encarregadas de reabsorver as áreas envelhecidas e por outras, os osteoblastos, cuja função de produzir ossos novos. Com o tempo, porém, a absorção das células velhas aumenta e a de formação de novas células ósseas diminui. O resultado é que os ossos se tornam mais porosos, perdem resistência. Na maioria dos casos, a osteoporose é uma condição relacionada com o envelhecimento. Ela pode manifestar-se em ambos os sexos, mas atinge especialmente as mulheres depois da menopausa por causa da queda na produção do estrógeno. Dentre os fármacos comumente utilizados para o tratamento de osteoporose encontra-se os bifosfonatos, os quais apresentam propriedades de anti-reabsorção óssea. Neste trabalho foram desenvolvidas biocerâmicas modificadas com polímeros para a liberação controlada de bifosfonato nas fases iniciais da cicatrização óssea, favorecendo a atividade de osteoblastos em pacientes osteopênicos ou com osteoporoses.